A EPOPEIA DE MIGUEL ÂNGELO

O que se passava por detrás daquele alto tapume era segredo para a cidade de Florença. Durante meses, mesmo anos, todos os dias quem transitavam por ali ouviam distintamente o ruido produzido pelo embate do metal na pedra e pela pancada do martelo no cinzel. Todos sabiam, porém, que estava lá um bloco de mármore, esguio e estreito,já utilizado por  certo escultor que, ao cinzelá-lo, lhe  havia produzido uma grande fenda triangular perto da base. Embora muitos escultores tivessem examinado o bloco multilado, permaneceu ele à disposição dos florentinos durante várias décadas, como um gigante inconquistável.

Na manhã de uma segunda- feira, dia 13 de setembro de 1501, o jovem Miguel ângelo Bounarroti dirigiu-se resolutamente, de cinzel na mão, para o local onde se encontrava o mármore. Trabalhou nele, exaustivamente, durante dois anos. Por fim, quando os peritos examinaram a obra, concederam-lhe um prémio de quatrocentos florins de ouro e o direito de escolher o local onde devia ser colocada a estátua. Então, Miguel Ângelo, ousadamente indicou a Piazza della Signoria- o local mais frequentado e notável de Florença - em frente do grandioso e austero palácio.
Quarenta homens, auxiliados por guinchos e cilindros, levaram quatro dias a transportar e colocar a estátua no sítio designado.
Michelangelo di Ludovico Buonarroti

David

Detalhe da Mão de David

A criação de Adão

Pietá

Capela Paulina (Vaticano)
Personifica ela a figura do jovem David que, com o olhar firme, enfrenta o seu inimigo Golias. Cada defeito que o bloco original apresentava havia-se transformado em perfeição. Da pedra excessivamente alta e esguia surgira o corpo robusto de um atleta; a fenda da base tornara-se o espaço existente entre as pernas musculosas. Cada músculo, cada tendão, cada veia dos menbros foram esculpidos com tal realismo, que o sangue asdoroso do jovem lutador dir-se-ia correr sob o mámore. Tal como todas as obras de Miguel Ângelo, seu David é mais que uma estátua: é uma verdade viva, tão viva hoje como foi há quatrocentos e cinquenta anos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Iluminismo: causas e características

Arte e Romantismo na Revolução Industrial

Raça e Progresso - Franz Boas