INSPIRE-SE NA PRATA

Até o início do séc. XVII, não há registro da existência da peças de prata feitas no Brasil, os colonizadores ocupavam apenas em mandar para Portugal o açúcar as madeiras de lei e algumas especiarias. Mas graças ao fastígio da metrópole, nos tempos coloniais, este país não ficou intenso à arte dos ourives de prata. Felizmente, ainda restam objetos coetâneos e a contribuição de estudiosos portugueses e brasileiro nos proporcionou importante ajuda nas pesquisa da prataria brasileira.
"Marcas de contraste e ourives portugueses" livro lançado em 1950 por Manoel Gonçalves Vidal pela casa da moeda de Lisboa, abrange desde séc. XV a 1950







As mais antigas datam do séc. XVIII em diante - cálices, salvas de escolas, custodias e tocheiras, vasos, caldeiras com hissope, todos pratos Litúrgicos de Igrejas e Confrarias da Bahia, Rio de janeiro, Pernambuco, São paulo e Maranhão. Não tínhamos minas de prata o que não impediu que produzíssemos santuária com material das minas americanas.

Além de todos os contratempos, e para dificultar mais o desenvolvimento da arte da prata no país, existiu ainda uma Lei que determinava que só ourives de "sangue puro" e devotos da Santa Madre Igreja de Santo Elói, padroeiro da classe, podiam executar objetos Litúrgicos. Essa Lei excluía os mestiços de qualquer especie, os judeus, africanos e orientais.


Dados das primeiras peças fabricadas no Brasil, nos primeiros séculos podem ser encontradas na Revista do Patrimônio Histórico (Nº VI 1942). 
A partir do séc. XVIII surge uma longa caminhada de mudanças e implantações em formas e modelos feitas no Brasil, características que mudam de um ambiente para outros que decorria do desenho fornecidos ao ourives ou talhadores.
O grande centro para onde convergia o precioso metal era Salvador que, além da capital da colônia tinha excelente posição geográfica e intenso comércio. 





Objetos de toucador de uma dama eram feitas pelos melhores artesões, muitas peças que incluíam todo aparato necessário para embelezamento
- Museu histórico Nacional séc. XX.
Peças de prata trazem luz para o ambiente, decorar a casa com artigos de prata era o requinte dos imperialistas das famílias ricas que abriam as portas de seus palacetes para oferecer grandes festas a sociedade convidando somente pessoas importantes e personalidades da época, quanto mais prata, maior era a riqueza da família.
A prata é um elemento luz na decoração de qualquer ambiente e pode ser explorada nas mais diversas formas, sem muito exageros.
Apostar em objetos de prata antigo, dão um ar vintage ao ambiente e ainda fazem com que o item ganhe valor sentimental.















Existem varias formas químicas para limpeza da prata, pesquisando muito sobre o assunto essa foi a forma mais original de limpar. Para retirar manchas escuras e fazer uma limpeza profunda, encha uma panela de alumínio com água e coloque para ferver. A cada 250 ml de água, adicione uma colher de chá de sal e outra de bicarbonato de sódio. Mergulhe a peça nesta solução, com o fogo ainda aceso. Depois de limpa, enxague com sabão neutro. O polimento final deve ser feito com flanela seca. 
Não utilize o lado verde das esponjas de lavar louça, palhas de aço, lutras móveis ou qualquer material de limpeza que não tenha a função de limpar pratarias.

Resumo de uma breve história da prata no Brasil, encontre mais informações em sites ou Museus.
Museu Histórico Nacional - Salvador
Revista do Patrimônio Histórico - 1942
Livro - Marcas de Contrastes e Ourives Portugueses - Manoel Gonçalves Vidal ( Séc. XV a 1950)













Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Iluminismo: causas e características

Arte e Romantismo na Revolução Industrial

Raça e Progresso - Franz Boas