Intervenções Contemporâneas em Obras Históricas.


A noção de intervenção é empregada, no campo das artes, com múltiplos sentidos, não havendo uma única definição para o termo.
Como prática artística no espaço urbano, a intervenção pode ser considerada  uma vertente da arte urbana, ambiental ou pública, direcionada a interferir sobre dada situação para promover alguma transformação, ou sensorial.

Em meados de 1960 ocorreram grandes mudanças comportamentais na sociedade, transformações que também influenciaram radicais alterações no campo da arte, a linguagem da intervenção urbana entrou em voga nos circuitos das artes visuais.

Tanto a revitalização como a reciclagem equivalem a uma modificação, maior ou menor, na forma arquitetônica de uma obra histórica, isto é, ambas interferem parcial ou totalmente na aparência estética da obra.
A harmonização entre o antigo e o novo pode passar por vários níveis. Segundo BROLIN ( 1984). Em termos gerais, uma reforma apresenta três graus de interferência no projeto original que são: RADICAL, EQUILIBRADO E SUTIL.











Espanha, Convento de São Francisco, construído no começo do século XVIII. A intervenção consolidou a Igreja mas não apagou seu processo de deterioração do prédio durante todo tempo.
A intervenção preserva o patrimônio histórico do edifício é, simultaneamente adiciona a ele valores que destaca a Igreja antiga de um modo contemporâneo.







Gloud Gate, Chicago: o "feijão", de Anish Kapoor, curiosa releitura do conceito de arte pública e de paisagem urbana.






A grande pirâmide do Louvre, arquiteto Leon Ming Pei. Intervenção de Michelangelo Pistoletto na Pirâmide. 

Fontes Itaú cultural.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Iluminismo: causas e características

Arte e Romantismo na Revolução Industrial

Raça e Progresso - Franz Boas